Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2006

Gente Fina é outra história

Gente fina não dorme, descansa os olhos;
Gente fina só toma sopa, pra diminuir o cansaço;
Gente fina não usa talher, só canudinho, para evitar rugas;
Gente fina não escolher roupa, manda alguém fazer isso;
Gente fina não fica bebado, perde a postura;
Gente fina não ri, finge;
Gente fina não VIVE, ENCENA!

conselho?

conselho: tome soluções drásticas!

1- odeia muito alguém? MATA!
2- cansado da faculdade? TRANCA!
3- comeu muito e tá passando mal? VOMITA!

ou simplesmente comece a pensar como eu:

1- é tudo psicológico! (tentando piamente acreditar nisso, mas não acreditando!)
2- a dor é inevitável, o sofrimento é opcional! (sim, É FATO CONSUMADO!)
3- a dor é a melhor parte da cicatrização! (PISA, mas pisa mesmo que amacia amiga!)


maaaaaaas, mesmo com tudo isso, seja uma pessoa do BEM, e viva a sociedade ALTERNATIVA! ;D

(Sophia por Sophia)

Eu sou o meu erro, a minha vingança, meu acerto e minha derrota, sou a pureza na mente dos assassinos e a covardia nos olhos das crianças, sou o passaporte pro inferno, o calor no inverno, minha ilusão correspondida, minha fúria oprimida. Sou um leão irrustido com a sensualidade de uma prostituta pervertida, sou minha unha roída, meu humor sarcástico, minhas paixões avassaladoras, minhas dúvidas químicas. Sou minha mentira verdadeira, minha verdade inventada, meu medo de barata, meu pavor pelo sentimento, minha caretice por caretas, meu sossego dos feriados, meu ócio da cesta, minha longa e inteira vida. Sou meu eu incontrolável disfarçado de Sophia, sou Sophia disfarçando o meu eu incontrolável!

ao melhor amigo!

pra confiar em uma pessoa, não precisa de tempo, precisa de argumentos;
precisa de carinho, de cuidados ;
precisa de amparo, de ternura ;
precisa de um, de dois exatamente;
precisa de conversa, de diálogo, de escrita;
precisa de silêncio e não de constrangimento;
precisa de mim assim como eu preciso de você!

ciranda da solidão

e no silêncio de uma grande solidão,
ponho uma música e pego a maquiagem,
finjo ser Picasso e ponho-me a desenhar sob meu rosto.

me visto feito uma bailarina,
ponho a minha sapatilha
e já parece que estou no palco.

faço movimentos suaves,
pra não errar nem um detalhe
e sigo nas pontas dos pés.

brinco, brinco, brinco que finjo de ser modelo,
faço pose com enredo,
me apaixono por um pierrot.

de repente paro,
cansei de ser o palhaço
do picadeiro da minha imaginação!