terça-feira, junho 27, 2006

Me lembro quando me olhastes,
queria afastar esses teus olhos verdes pra longe de mim.
Me arrepiastes até a nuca quando me tocastes,
não conseguia mais achar minha metade sã,
tentei por um ponto final, pensei que isso não podia acontecer.
Por muito tempo me confundistes com teus beijos,
me enfeitastes de sonhos.
Encontrei em ti tudo que não queria encontrar por um tempo,
e foi inevitável não deixar crescer.
Hoje, eu conheço o melhor e o pior que há em ti,
e sem medo eu posso te dizer que não vou te fazer triste,
porque mesmo com as nossas diferenças,
eu te amo cada dia mais!
Se quer saber, é dolorido, sofrido mas é muito feliz.
É bem difícil, quando se acha que tá certo, a equação só tá toda errada.
Quando bate a dúvida,
o que resolve é um pouco de tempero,
um pouco de romantismo,
daqueles beijos cinematográficos, com gotas de chuva nos corpos,
e, quase eu esqueço, em preto e branco.
Pena que a vida só tem uma cor, TODAS!
É um vício com pouca cura,
de incompreensíveis atos estúpidos,
mas bastante compreensível quando se sente.
É de multiplos segredos,
o melhor é desvendar os desejos.
Pode ser bastante comparado com o cargo de mãe (ou pai),
onde só queremos cuidar, proteger, ensinar
e viver todo o nosso, discutido aqui, AMOR!
Um, dois, três copos
o resto nem podia sentir.
Descia tão bem,
que não pude evitar mais um.

Ela,
me olhava e torcia o nariz,
cruzava os braços e chacoalhava as pernas.

E eu mesmo assim continuava,
estava com meus amigos,
que mal havia naquilo?

Nas noites nuas,
era ela que não dormia,
enquanto eu, ficava tranqüilo.

Errei, errei muitas vezes,
ia só esquecendo,
mas esqueci do que não podia,
esquecer do erro é persistir nele.

Não encontrava mais suas mãos,
não senti seu abraço quando precisei,
ela cansou,
simplesmente cansou e foi embora,
e por causa do meu vício,
perdi a mulher que mais amei.

segunda-feira, junho 19, 2006

MARIANA

Mariana sempre foi a mais doce,
a mais pura,
mais protetora,
sempre foi mais Maria.

Mariana sempre foi bonita,
a mais sexy das amigas,
ela é carnal, quente,
ela é mais Ana.

Mariana sempre foi mais paty,
uma fresca sem frescura,
sempre pintou as unhas de cor escura,
sempre foi mais Mari.

Mariana,
a que sempre foi mais Mari,
a que sempre foi mais Maria,
a que sempre foi mais Ana,
agora ela é somente Mariana.
Quando partistes sem olhar pra trás,
não me dissestes ao menos um adeus,
a dor que eu sentia era forte,
era real,
mas mesmo assim não tivestes dó.
Tirastes de mim quase toda minha força de amar,
me tivestes nas mãos
e mesmo assim me deixastes escapar,
deixastes eu chorar sozinha num canto
até me esgotar.
Fiquei fraca, deixei de acreditar,
procurava braços iguais,
bocas, cheiros, jeitos iguais,
mas não existe.
Achei alguém bem diferente de você,
alguém melhor,
que me ensina, que aprende,
que me quer e me entende,
não importa se tem os braços,boca, cheiro e jeito diferente do seu,
só importa que é ELE.
Graças a ti eu o conheci,
e a ti, hoje eu agradeço,
aprendi enfim o que é amor,
o que é amar!

sexta-feira, junho 16, 2006

Você chegou,
não me importa como,
nem quero saber porque,
mas chegou,
no momento certo,
que bom que chegou!

Veio de braços abertos,
o sorriso estampado no rosto,
mas com um vazio no peito,
com sede,
sede de amar,
sede de nós.

Me ensinastes o significado do amor,
sim, o amor,
algo que me arrepia só de pensar,
realmente assustador.

Teu amor,
é calmo e nervoso,
impaciente e cauteloso,
inconsequente e realista,
realista e sonhador,
é o que eu gosto,
é o que eu quero,
é ele que me protege,
que me aquece,
quero ele pra sempre assim,
coladinho,
sem sair de mim.

Será esse o caminho?

Hoje alguém leu de verdade a minha mão. De forma superficial, mas entendida. Falou sobre três assuntos: Vida, amor e finanças. Falou que...